31/03/2017

Cartas d'Amor - Eça de Queiroz #resenha



Livro: Cartas d’Amor
Autor: Eça de Queiroz
Editora: Garamomond
Páginas: 96


As cinco cartas publicadas e organizadas neste livro, fazem parte de um mini romance onde constituem uma pequena parte de tudo o que Eça escreveu para o personagem Fradique, que se revela um homem culto, cortês e galanteador. Sua paixão por Clara carrega uma intensidade de proporção descomunal.
A composição do personagem foi feita de forma coletiva. Fradique ganhou "vida" através das mentes brilhantes de Jaime Batalha Reis e Antero de Quental, embora a maior parte dos textos, foram produzidos por Eça.
Eça de Queirós foi um dos grandes nomes da literatura portuguesa. Os clássicos mais conhecidos de sua autoria são “O crime do Padre Amaro”, “O Primo Basílio” e “Os Maias.” Na primeira fase da sua carreira, escreveu obras com influência romântica.
Tudo começa quando Fradique vê uma bela moça que estava em companhia de Madame de Jouarre. A primeira carta é escrita à Madame questionando quem era a moça. Ele repassa na carta detalhes de quando as viram juntas e o quanto encantou-se pela moça e, somente a partir da segunda carta, é que ele fala à Clara diretamente.
Eles vivenciam um romance bem efêmero e especial onde tudo é relatado de forma muito bela e profunda. A forma como ele se declara, é de muita riqueza poética.
Os textos não permitem uma compreensão tão fácil das referências que carregam, pois, muitos dos elementos citados são bem antigos. O livro também é super bem escrito, apaixonante, possui uma linguagem mais complexa, embora, seja perfeita para a época em que as cartas foram escritas. Para quem gosta do gênero, o romance eleva à alma pela sublime delicadeza e profundidade que possui.
A penúltima carta pareceu um pouco forçada. Ele a colocava como uma santa a quem devia reverências e adoração. Típico dos românticos da terceira geração. Mas ainda sim, Eça conseguiu levar a leitura de forma agradável.
Também é muito interessante e bem estruturada a comparação entre Jesus e Buda feita por Fradique. Interessante, embora equivocada, a meu ver. Fradique toca nesse assunto, por Clara ter jugado a história de Buda complexa. E assim ele argumenta que o discurso de Buda foi superior ao de Cristo. Uma vez que Cristo chamou todas as grandezas à sua humildade e prega uma vida longe das riquezas e dos prazeres para que seus fiéis possam receber uma recompensa que é uma vida em um paraíso onde ele (Cristo) reinará. Já Buda rejeitou a sua riqueza para humilhar-se e prega a abnegação dos prazeres e das riquezas, para voltar-se a agir com retidão e honestidade no mundo e assim criar um ciclo de boas ações fazendo com que a terra seja melhor para as gerações futuras. Criticou também a forma como Cristo se apresenta. Como o filho de Deus, e já Buda, como um mero mortal. Por isso, segundo Fradique, a vida de Buda comparada à de Cristo é mais meritória.
Embora eu não concorde por questões bem subjetivas, afinal, eu creio que além de filho de Deus, Cristo era o próprio Deus encarnado, devo confessar que o paralelo traçado foi de um profundo conhecedor de ambas as figuras religiosas. Com temática crítica, o autor causou polêmica na sociedade portuguesa da época e foi condenado pela Igreja Católica. 
O final das cartas é emocionante. E o fim do livro físico (em PDF não consta), contém informações preciosas sobre o personagem, a época em que as cartas foram escritas, onde foram publicadas pela primeira vez, entre outras informações super úteis. 




Eu tentei estruturar um poema recolhendo algumas partes dos 'arroubos epistolares' de Fradique à Clara. O texto abaixo, são fragmentos das declarações do personagem à sua amada que estão espalhados pelo livro e eu os agrupei para formar um poema:


Foi no inverno que a vi entre os molhos de orquídeas
Logo tudo ao redor me pareceu irreparavelmente enfadonho
E voltei a readmirar, a meditar em silêncio a sua beleza
Essa imagem foi para mim meramente um quadro
Pendurado no fundo da minha alma
Antes de te amar, que era eu na verdade?
De modo que por o meu amor não ser perfeito,
Tenho de me contentar que seja eterno.
E a vida contigo e por ti é tão inexpressivamente bela!
Que outro princípio governa e mantém a minha vida senão o teu amor?

Para perpétuo orgulho do nosso coração
É necessário que desse amor nos fique
Uma memória tão límpida e perfeita,
Uma sublime realidade governando o nosso ser
Da minha vida sei, pelo menos, que ela perpetuamente
Será iluminada e perfumada pela sua lembrança.

Fradique



Se você quiser conferir a beleza dessas cartas, elas estão disponíveis em PDF pelo site Domínio Publico: Clique aqui!

35 comentários:

  1. Oi, Eliziane!
    Faz muito tempo que não leio nada clássico. Essas cartas parecem uma ótima pedida. Interessante um dos temas abordado nas cartas seja sobre Buda e Cristo. Uma visão bem diferente de crenças.
    Não costumo ler em pdf, então vou aguardar ter o livro em mãos.
    Obrigada pela dica!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gostar de romances, certamente vai gostar desse. Também fazia muito tempo que não lia nada clássico. Mas esse livro enriqueceu tanto a minha vida... Vale muito a leitura, Cris! Grata pelo comentário! Beijão! Sucesso!

      Excluir
  2. Olá Eliziane, tudo bem?
    Nunca li nenhum livro do autor, Acredita?! Mas começo a história do primo Basílio.
    Não conhecia esse livro, mas acho que posso gostar. E após a sua resenha, decidi dá uma chance.
    Beijos!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma chance de verdade, Esther! Eu nunca tinha lido nada do Eça e leio bem pouco os clássicos, mas à partir deste livro vi o quanto que nós deixamos de ganhar lendo estas preciosidades. Boa sorte pra ti! Beijão!

      Excluir
  3. Nunca ouvi falar desse livro. Mas de "Os Maias" sim. Nunca peguei para ler, mas me surpreendi desse livro ser em forma de cartas. Eu curto essa pegada pessoal, íntima do personagem. Talvez eu procure para ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jalyssson, procura, sim! Você vai gostar. Fradique escreveu milhares de outras cartas, mas só essa falou de sua paixão por clara. Então os organizadores resolveram pegar as quatro cartas e transformaram em um romance. Foi isso! Grata pelo comentário!

      Excluir
  4. Olá, Eliziane!

    Já tentei ler um livro do autor, O Primo Basílio, mas não entendi quase nada. Achei a linguagem pesada demais, de difícil compreensão. Isso porque não estou habituada a ler esse tipo de texto, que foi escrito a tanto tempo atrás, e só o que sentia era uma dorzinha de cabeça kkkk

    Achei interessante essa ideia de cartas, e até gostei do enredo desse livro, você explicou bem a história. Mas não sei se leria porque uma coisa é vir com as explicações de alguém, outra é você ali no livro sozinho kkkk
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Thai! kkkk Te entendo! Acho que você vai gostar ao menos da parte do romance. Mas também não é assim um bicho de 7 cabeças, viu? Só de 6. Hahaha Abração pro'cê!

      Excluir
  5. Olá, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro, mas agora que conheci preciso dele.
    Owmm parecem ser muito lindas as cartas e intensas apesar de densas. Amei que você postou o link do pdf. Obrigada
    Parabéns pela postagem.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você curte romances, vai gostar demais dele. São lindas de verdade!
      Por nada! Eu que agradeço o elogio! Beijão!

      Excluir
  6. Olá!
    É uma vergonha para mim dizer que nunca li nada de Eça de Queirós embora conheças algumas obras por filmes e séries e pelo que pude observar ele gostava de criar certa polêmica pra época como no caso de Primo Basílio que aborda o adultério cometido pela mulher e com um rapaz mais jovem se não me engano, lembro que minha mãe na época ficou chocada rs
    E neste pelo jeito ele desconforta o leitor nos seus princípios religiosos.
    Vou me "desvirginar" com esse livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é vergonha, não! Eu também não lia. rsrs Mas conheço um pouco dele e o admirava. Sim! ele era polêmico e gostava de sair do convencional. Eu estou a fim de ler o Primo Basílio depois deste. Você vai gostar. vai achar bem interessante. Beijão!

      Excluir
  7. Oie, tudo bom?
    Me julgue, mas tudo que carrega essa linguagem antiga me repele automaticamente! Por isso não costumo apreciar tanto quanto queria a literatura clássica brasileira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te entendo! Mas tudo é questão de costume.

      Excluir
  8. Olá, tudo bem? Nossa um livro feito de cartas, é algo que não é do meu cotidiano de leitura. Ainda mais tendo trechos de comparação de Buda e Jesus. Essa questão de termos antigos não me assusta, afinal se aventurar em coisas que não conhecemos direito é sempre bom. Eça é bem conhecido mas ainda não tive oportunidade de ler nenhuma obra dele. Espero mudar isso em breve. Ótima resenha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Em toda essa minha vida de leitor eu li pouquíssimos clássicos e em sua maioria foram experiências bem legais. Essa obra parece ser vem interessante, e a edição tá bem bela, pois geralmente esses clássicos tem um pouco mais de descaso a respeito de capa. Adorei a resenha esses espero poder ler a obra em breve. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Vou baixar o PDF, ainda não tive a oportunidade de ler nada de Eça de Queiroz.

    Obrigado pela indicação, Eliziane.

    Cultura nunca é demais, hehe!

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Ai, eu sei que devia gostar da literatura do meu país, mas Eça de Queiroz não... Não consigo ler nada dele, acho demasiado massudo, tem demasiado pormenor em tudo. Ainda não me convenceu :p

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
  12. Olá, acredito ainda não ter lido nada do Eça de Queiroz, mas tenho muita vontade de ler algo dele. Talvez comece por esse livro, por não ser muito longo e pelo fato de eu gostar de livros que tragam cartas.

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Nunca li Eça de Queiroz e sempre tive vontade.
    Bem interessante a forma que o livro foi composto, gosto de livros que trazem cartas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não sou muito adepto a romance, ainda mais com uma linguagem muito complexa. Ultimamente tenho tentado pegar mais leve na leitura e estou me dedicando aos meus seriados, mas fico feliz que tenha sido tão emotiva. Do Queiroz eu já li O Mandarim, achei legal, mas as referências que ele faz, realmente, são meio ruins de pegar se vc não conhecer um pouco do contexto histórico.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oiee, ainda não conhecia a obra, mas gostei de ver sua opinião, fiquei e espero que possa vir a ler em breve.

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Adoro essas resenhas de livros nacionais e confesso que senti um pouco de vergonha por ainda não ter lido essa obra hehehe Amei a resenha e é de uma sensibilidade linda a forma que escreveu.

    ResponderExcluir
  17. Entendo que na época escrita os romances eram mais dados a arroubos e essas venerações. Como vc mesma disse, era típico da geração. Eça é uma escritora impecável, assim como Cecília Meireles, tem um dom para escrever romances e poesias como poucos. Gostei muito da composição que você fez com os quotes, ficou um encanto!

    ResponderExcluir
  18. Eça de Queiroz <3
    Adorei a postagem!

    Bjs
    Suka
    http://www.suka-p.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Olá, adorei a resenha, acredito que nunca tenha lido nada do autor (olha a vergonha alheia)...na verdade acho que li bem pouca literatura clássica na minha vida, o que pretendo reverter. Quero ler esses autores de renome...Eça de Queiroz, Jorge Amado, José Saramago, Fernando Pessoa...

    Abraços

    ResponderExcluir
  20. Ameeei essa resenha! Confesso que sou apaixonada por tudo que envolva cartas, não entendo bem o porquê, mas amo. Gosto dessa profundidade e embora nunca tenha lido algo do autor, creio que adoraria essa literatura. A respeito da crítica religiosa, ele foi bem polêmico ainda que eu consiga compreender a lógica utilizada por ele... Porém, não sei se concordo. É algo meio complicado de se colocar numa balança e dizer se está certo ou errado. Tu já leste algo da Jenny Han? Os livros dela são bem leve e divertidos, atualmente estou aguardando o terceiro. É bem jovial e também trata de cartas, eu gostei muito e olha que não sou muito fã de romances hahaha

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Apesar de ler alguns livros clássicos, confesso que não li nada de Eça de Queiroz. Mesmo sendo uma leitura mais densa, que exige um pouco mais de nós e de nossa concentração, ainda quero conhecê-lo mais. Adorei demais sua resenha, bem escrita e cheia de detalhes.parabéns!
    Em especial, gostei dessa obra, lerei em alguma oportunidade.

    Beijo, beijos
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Oie, tudo bom?
    É uma vergonha eu sei, mas credita que nunca li nada do Eça de Queiroz? Gosto dos livros clássicos da literatura, tanto que José de Alencar, Machado de Assis e Clarisse Lispector, estão entre os meus autores favoritos. Não conhecia esta obra do autor, mas achei bem interessante. Tenho um livro dele aqui na estante "o Primo Basílio', e pretendo ler ainda este ano. Vamos ver se vai dar tempo. Dica mais que anotada.

    E adorei esta frase que você colocou na sua resenha: "Para quem gosta do gênero, o romance eleva à alma pela sublime delicadeza e profundidade que possui. "

    Bjux ;)
    Entrelinhas

    ResponderExcluir
  23. Nunca tinha visto falar desse livro mas parece ser uma história que vale a pena conhecer... Adorei a resenha! Beijos

    www.lendo1bomlivro.com.br
    Instagram :) @lendo1bomlivro

    ResponderExcluir
  24. Oii,
    Por não ser uma leitura fácil acho que nunca me aventurei a ler algo do Eça de Queiroz, mas estão nos meus planos.

    Beijos
    www.geeklegend.com.br

    ResponderExcluir
  25. Olá!
    A leitura me parece um pouco cansativa. Eu não tenho o hábito de ler clássicos, essa linguagem rebuscada e antiquada, me cansa bastante. Mas confesso que fiquei bem curiosa sobre a comparação polêmica de Jesus x Buda. Imagino que para a época deve ter sido inaceitável mesmo pela Igreja Católica. Parabéns pela leitura e pela resenha.

    Beijinhos.
    Jaque - Meus Livros, Meu Mundo

    ResponderExcluir
  26. Oi .
    Nunca li Eça de Queiroz, e justamente por não ser de compreensão tão simples e de linguagem complexa, mas isso é mero comodismo, preciso me libertar rsrs.
    E o que me chamou a atenção nele foi a temática polêmica, dica aceita e anotada.

    Até mais!!
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  27. Tenho tentado ler alguns clássicos, mas textos como esse, cheios de referências de difícil compreensão acabo preferindo por "pular". Legal a ideia de escrever em forma de cartas, legal ser relativamente curto, mas ainda assim, não vai rolar pra mim.

    ResponderExcluir
  28. OI Eli, tudo bem?
    Fazia um tempo que estava analisando se valeria a pena ou não iniciar esta leitura, agora você me deu uma resposta e acho que vale muito a pena. Com toda certeza irei procurar o livro para ler, mesmo com alguns paralelos que também não concordo. Adorei sua resenha!


    Beijos!

    ResponderExcluir