13/03/2017

Cartas Contemporâneas - Um amor possível? IV

Ainda que no passado os desarranjos tenham sido mais presentes que os acordos, o tempo para o acolhimento dos sentimentos foi extremamente necessário. Fantasiando ou revelando desesperanças... As cartas contêm sonhos, saudades, confissões, desabafos, ressentimentos e mágoas, mas pela insistência de ambos e a densidade expressiva nas palavras, certamente podemos denominá-las como CARTAS DE AMOR.


Atriz Berta Vázquez


Ler CARTAS anteriores: Carta ICarta II e Carta III



Olá, Pedro! Tudo bem?


Desculpe pela demora! Eu li e reli várias vezes sua carta. Eu nem sei como começar... Esperei tanto pelo dia em que você se derramaria assim. Sempre quis muito voltar atrás, te rever, te procurar, te ligar... Nunca pensei em te escrever. Mas tudo me travava.
Que bom que você percebeu meu desabafo, eu realmente precisava falar tudo aquilo. Fiquei engasgada por muito tempo. Eu fiquei mais surpresa com a sua correspondência, do que com a conta de luz. rs
O que me fazia permanecer ao seu lado era a minha ilusão de encontrar nos teus olhos a certeza de que bem lá no fundo eu era importante na sua vida ainda que você não conseguisse expressar com palavras. Essa certeza se esvaía assim que suas atitudes, ou a falta delas me provavam o contrário. Você diz que descobriu essa importância agora, e eu não quero acreditar em você. Mas não consigo não acreditar! Suas palavras dissipam qualquer resistência. até porque eu percebi sinceridade nelas. Sinto-me lisonjeada por suas palavras, Pedro! Mais uma vez agradeço, agora com sinceridade, por perceber, apontar e descrever minhas qualidades. Se bem que você exagera... rs Eu estava certa! Você tem um coração! Que maravilha saber disso!
Fico realmente feliz por você tentar domar esse seu gênio. Eu sabia que você não era o que demonstrava ser. Uma pena você ter revelado essa parte mais bonita tanto tempo depois.
Eu entendo que queira mudar, porque você mesmo se prejudica sendo assim. E o fato das coisas não estarem indo bem, também ajudam, pois, a gente passa a refletir sobre a vida quando algo começa a dar errado. Eu sinto muito pelas coisas estarem indo mal no seu trabalho. Não tenho ideia de como melhorar isso e, agora talvez não seja a hora, porém, o meu conselho seria para você desacelerar um pouco a frequência com a qual trabalha. Eu nunca falei isso, porque você não me ouviria, mas você dorme muito pouco, se preocupa demais e esse é um dos motivos de viver tão estressado. Quase não tinha tempo livre, trabalhava aos finais de semana, não tirava férias. Como que alguém pode viver assim? Isso é altamente prejudicial. Você pode ficar doente.
Eu li direito? Você citou Deus? Eu não consegui parar de rir. Empaquei nessa parte.
Tens receio de demonstrar seus sentimentos, de parecer vulnerável, por isso você se fechou nessa caixa. Isso é um medo de demonstrar suas fraquezas, de parecer bobo, sei lá. Até o seu foco no trabalho, nos estudos, é uma fuga. Agora eu entendo! Eu li sobre isso. Você se afasta das pessoas e faz com que elas se afastem de você. E o seu jeito rígido e antipático assim tão extremo é uma espécie de proteção.
Você não errou sozinho. Eu também te sufoquei um pouco com os meus ciúmes e fazia algumas coisas só pelo prazer de te ver irritado mesmo. Seu sorriso é bonito, mas você sério era um... Não sei definir! Não sei... Você ficava com as veias saltadas, aquela cara de que o mundo estava acabando e inferia leves toques com a ponta do polegar no queixo, xingando umas coisas incompreensíveis. No ápice da sua irritação você deixava de falar comigo. E eu, brincava com o cão! Eu não parava, Pedro! Conseguia te irritar ainda mais até que você se afastava e eu ficava rindo. Aquilo me deixava louca! Porque você se "vingava" das minhas implicâncias da forma mais gostosa possível. Eu amava! Gostava quando você ficava desconcertado com meu olhar e o meu toque, gostava de te deixar vulnerável com a minha voz no seu ouvido. Desculpe me lembrar disso! Já passou!
Também agradeço demais por me permitires saber que minhas atitudes te ajudaram na sua reflexão e tentativa de praticar boas ações e reparação dos erros. Isso é muito bacana! Na verdade você já está se mostrando diferente. Quando que você se imaginaria sentar e investir tempo escrevendo uma carta a alguém?
A primeira lição que vou te dar (estou me sentindo uma professora), vai ser a seguinte: Não se agradece nenhuma conquista a uma pessoa que nunca viu. O que foi aquele agradecimento de formatura? “Eu agradeço a Schopenhauer pela ajuda em meu desenvolvimento intelectual e blá, blá, blá...” Jurava que esse nome era como você chamava o seu pai, ou algo assim. Depois que sua mãe ficou rindo de você na volta para casa que eu fui pesquisar na internet e entendi que Schopenhaeuer era um filósofo que morreu em 1860. Eu morri com aquilo, Pedro! Que ridículo! Na boa... Você não existe!
Talvez sua relação não seja muito boa com a sua mãe, mas a gente agradece mesmo pelas pequenas coisas: Ela te gerou, te amamentou, viu você dar os primeiros passos, te colocou na escola pra você fazer uma das coisas que você mais gosta na vida que é estudar. Olha que legal? Seus professores, por exemplo, te auxiliaram nos estudos, te indicam livros do seu interesse, eles são os mediadores entre você e o conhecimento, ou seja, são pessoas reais com as quais você tem relações reais!
Não sou a única pessoa que te amou, sua mãe sempre falou de você com muito carinho. Sua avó disse uma vez que você era a criança mais linda que ela já viu e se tornou um homem maravilhoso. Ela só não lembrava o seu nome. Se você se desse o privilégio de estar com elas mais vezes do que poderia e gostaria, saberia o quanto é amado.
Eu tive uma amiga que quando perdeu a mãe, disse que se arrependia imensamente de não ter feito o possível para estar ao lado dela em todos os momentos. Portanto, vá nas bodas! Deixe-a perceber que você está cuidando dela, você sempre vai ter mais importância na vida dela do que o atual marido dela, Pedro! Pare com esse ciúme infantil!
As pessoas me acham muito otimista, mas sabe o que eu vejo agora? Que o nosso relacionamento foi uma experiência que deu certo, apesar de ter acabado. Sim! Veja bem... Eu cresci, amadureci e aprendi muito com a forma não tão agradável de como ele terminou. E você conseguiu enxergar que necessita mudar, que não pode viver só pra si mesmo. Acredito que reconhecer os erros, já foi o primeiro passo.
Conforme você mesmo disse, todos temos algo para melhorar em nós mesmos. Você ressaltou meu altruísmo, Pedro! Mas às vezes eu não consigo pensar em mim mesma. Eu não consigo fazer algo por mim, comprar algo só pra mim, tem que ser para os outros. Por exemplo, às vezes eu anulava o que eu queria para te fazer feliz, abria mão das minhas vontades para que pudéssemos cumprir a sua. Isso não é bom! Isso não é uma relação saudável!  É claro que em alguns momentos temos que ceder, mas eu cedia sempre!
Eu sempre coloquei o coração em tudo, mas existem algumas situações que é imprescindível que ajamos de forma mais racional. Devemos buscar o equilíbrio em todas as coisas. O meu maior problema é que eu esperava que você fosse como eu. E ninguém pode ser como eu. Eu sou um modelo exclusivo! Haha! Não! Sério! O que a gente precisava, na época, era aprender a lidar com nossas diferenças, dialogando sobre elas.
Compreendo que se eu quiser fazer algo de bom por alguém, tenho que entender que nem sempre aquilo vai retornar para mim, por isso, tenho que ser o que sou sem me importar como os outros agirão ou responderão. Fazer o bem por uma recompensa ainda que essa recompensa seja o carinho, admiração ou o amor de alguém, não é ser boa de verdade, é ser carente. Nem todo mundo consegue ser grato. Às vezes se faz o bem e recebe em troca a ingratidão, entretanto, a ingratidão de uma pessoa, não pode paralisar as boas ações de uma outra. Se a solidariedade ou uma atitude positiva foi feita esperando um retorno, seja lá que tipo de retorno se esperou, então na verdade, não se fez pelo outro, mas por si mesmo. 
Lógico que em toda relação há uma troca e eu fui autêntica com você, mas eu esperava algo de você que nunca iria vir, mas mesmo assim eu me desdobrava para chamar sua atenção.
Outra coisa que é importante frisar, é que não é bacana imaginar a sua vida ao lado de quem já não está mais nela. Principalmente se você já tem alguém em sua vida. Na primeira carta você disse que tinha uma namorada e que ela era tão distante quanto você é, ou era não sei. Estou confusa! Na segunda, você disse que pensava em mim e fantasiava sua vida comigo. O fato é que se você não gosta do jeito dela, tenta encontrar uma pessoa que você possa gostar. Você é um homem lindo, inteligente, vai conhecer uma mulher super especial que vai estar disposta a te fazer feliz assim como eu estive. 
Eu fui obrigada a apagar tudo o que me lembrava você. Você não utiliza as redes sociais, e nem tinha como eu ficar te encontrando nas fotos, porque, a cada vez que eu olhava, sentia um aperto muito grande no peito e uma vontade imensa de te abraçar.
A única forma que eu achei que poderia te esquecer mais rápido, era apagando todos os vestígios de quando eu estive com você. Só que a memória é traiçoeira, não é?
Então eu lembrava da forma nada poética que você tentava explicar o amor, eu nem sabia quem era Nietzsche e também odiava aquele pessimismo dele nas frases que você vivia citando, mas uma vez eu senti muita saudade sua e me vi lendo um treco lá que ele escreveu. 
Era assim que eu te encontrava, Pedro. Naquilo que você gostava. No amor que você mantinha pelos estudos. Eu passei a ler Spencer, Sapir... Continuava sendo chato, mas era a forma de eu ter contato com você. Era ali que eu te via, naquilo que sempre teve a ver com você. E eu passei a entender tanta coisa a partir do que eu lia, eu aprendi tanto... Eu aprendi com você mesmo você estando longe. Eu li os artigos que você publicou, eu via os filmes que você me indicou, você ainda fazia parte da minha vida de alguma forma. E imaginar que eu não tinha o mesmo valor, a mesma importância ou que eu não lhe fazia falta, era muito doloroso.
Por isso, te agradeço por você agora insistir em dizer que eu sou especial pra você. Você também é muito especial pra mim, Pedro. Estamos ligados por nossos profundos aprendizados. Pelo desenvolvimento que permitimos nos dar um ao outro através dessa troca na nossa relação. Nossas diferenças fizeram diferença na nossa vida. E eu amei aprender com você. Eu acho que agora estou sendo a Júlia das qualidades que você ressaltou. Eu não tenho condições de esquecer você, Pedro! Claro que podemos ser amigos!
Agradeça a sua mãe o convite, mas pede para ela colocar um outro convidado no meu lugar. Vou tentar enviar um presente, por tanto você não precisa vir. Não acho legal receber um ex-namorado agora que estou conhecendo outra pessoa e me envolvendo cada vez mais com ela. Desculpe!
Lógico que te perdoo! E também peço perdão! Fique bem!



Com admiração...

Sua amiga Júlia

__________________________________________________________


Para ler a carta de Pedro, a última do Blog: Clique aqui!

22 comentários:

  1. Ainda acho que vai ter volta... hahahahahaha

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Ufa, já estava ficando preocupada, é isso aí moça parte para outra, mas com elegância 😉

    ResponderExcluir
  3. Hmm... Sei não viu?
    Acho que essas cartas, essas experiências e tudo o mais que eles tem divido talvez os levem a reatar viu? Novas pessoas sempre entram nas nossas vidas, mas sei lá... acho que esses dois ainda tem jeito.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  4. Acho o Pedro bem chatinho, mas que bom que Julia seguiu em frente e o perdoou.
    Relacionamentos acabam e sempre aparece alguem novo.
    Bola para frente para os dois.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Nossa, que texto lindo!
    Quanta emoção expondo tanta coisa nessa carta, quantas situações que os dois viveram e não deu certo. Um ótimo texto.
    bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  6. Heyta que já tava agoniada para ver o desfecho dessa carta! Gostei de ver como ela foi segura em sua resposta!

    Bjs Jany

    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  7. Acho ela tão maravilhosa, em suas respostas, em seu jeito de ser... Não sei se torço pelos dois ou... Não sei. As cartas têm me confundido bastante hahaha Estou amando essa experiência!

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
  8. Quando comecei a ler a carta da Julia não consegui parar mais kkk. Adorei! Você escreve super bem e agora quero ler todas as cartas anteriores e conhecer mais a Julia e o Pedro. Achei o Pedro uma pessoa um pouco difícil e muito fechada.Penso que se ele estivesse disposto a mudar nem que fosse apenas um pouquinho por amor a Julia eles ainda estariam juntos. Mesmo sendo doloroso pra ela relembrar coisas do seu relacionamento com ele, fiquei feliz por ela ter conseguido seguir em frente. Bjss!

    ResponderExcluir
  9. OI, tudo bem?
    Acho que estou meio perdida com os textos anteriores, mas adorei como foi escrita a carta de Julia. Essa carta pode revelar que ainda rola algum sentimento, apesar da aparente amizade.

    ResponderExcluir
  10. Estou achando essas cartas bem interessantes e quero só ver se a Julia vai finalmente se desvencilhar desse Pedro. Ela diz que superou, mas claramente essa antiga relação ainda a corrói. Vamos ver... Rs!! Estou curiosa!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  11. Estou impressionada com a elegância da Júlia para lidar com a situação. Creio que não teria tanta maturidade em lidar com um relacionamento que, por melhores momentos que teve, causou muito sofrimento. É bem interessante a construção desta história por meio das cartas. Obrigada por compartilhar!

    ResponderExcluir
  12. Quando eu comecei a ler a carta, pensei que ela fosse se entregar a ele novamente ou ir com ele ao casamento, mas mais um vez ela mostrou maturidade. Amei essa resposta e quero ver a dele agora, kkk.

    ResponderExcluir
  13. Oiii!

    Adorei a atitude da personagem! Fico feliz que ela tenha superado e se tornado tão maadura.
    Você já pensou em colocar isso em um livro??

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  14. Olá,
    Adorei a carta e dei muita risada na parte que diz que se surpreendeu mais com a correspondência do que com a conta de luz rsrs
    Achei bem legal o amadurecimento da personagem e como ela incentiva o seu destinatário também a mudar, a se tornar si mesmo e se abrir deixando de se esconder por trás de alguém que não é.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  15. Acho perfeita essas cartas.


    Bjs
    Suka
    http://www.suka-p.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bem?

    Eu amo cartas, gosto muito de romances narrados por cartas. E lendo esta gostei muito, ficou sensível, bonita e bem humorada em vários momentos. E o melhor, cheio de lições e perdão. Parebéns, lindo, lindo. <3

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Nossa! Essas cartas são perfeitas. Parabéns! Você escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  18. Que carta linda. Falar sobre perdão e dar o perdão são qualidades de poucos pessoas. Adorei e você tem uma ótima escrita <3
    Beijos,
    colecoes-literarias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Que carta lindíssima, socorro! <3
    A Júlia fala tudo com muito sentimento, que bom que ela está seguindo em frente, Pedro deve ter feito algo bem ruim!

    ResponderExcluir