09/08/2018

João e Maria por Neil Gaiman e o valor da parceria na relação familiar


Título: João e Maria
Versão: Neil Gaiman
Ilustração: Lorenzo Mattotti
Editora: Intrínseca
Reimpressão: Abril/2018
Páginas: 55
SINOPSE: Neil Gaiman e Lorenzo Mattotti lembram o horror e o fascínio que sentiram quando leram João e Maria dos irmãos Grimm. Agora, escritor e ilustrador se unem nesta brilhante releitura de um dos maiores clássicos de todos os tempos. Seja forte, corajoso e prepare-se: Gaiman e Mattotti vão levar você para um passeio nas profundezas da floresta.

     A versão de Neil Gaiman é a mais próxima da versão real, sem aquelas adaptações para tornar a história mais leve e menos chocante ao público infantil, tendo o autor pesquisado outras publicações.
    Ao final da história de Hasel e Gretel que no Brasil é João e Maria, é apresentado resumidamente o contexto histórico em que o livro foi publicado, suas versões posteriores à primeira publicação de 1812 e qual período social os irmãos Grimm poderiam ter se baseado para escrevê-lo.
     A leitura é agradável e rápida não só pela pouca quantidade de páginas, mas porque causa curiosidade sobre seu desfecho, uma vez que há diversas versões.
     A adaptação em questão, é muito bem escrita, poética, possui ilustrações feitas por Lorenzo Mattotti que inclusive fizeram parte de uma exposição e foi por meio deste evento que o convite para o livro surgiu. A capa é dura e a diagramação do livro também está bastante especial, digna de coleção.

     Os pais de João e Maria eram camponeses, viviam confortavelmente antes da guerra, pois, quando esta chegou, ocorreu a fome e é por esse motivo que os irmãos são abandonados na floresta pelo pai, à mando da própria mãe.
     Encontrando a casa de uma velha bem idosa, João e Maria que estavam famintos, saboreiam as paredes da casa da velha que é toda feita de doces. Os irmãos são recepcionados com simpatia pela velha que acredita que finalmente encontrou carne. Ela prende João em uma jaula a fim de degustá-lo, mas como não enxerga bem, é engabelada por Maria que mostra um osso toda vez que tenta averiguar se João engordou para poder assá-lo.
     É um conto para adultos, o final é bastante otimista e é exatamente a partir do desfecho da história, que pode-se pautar a análise sobre a parceria no contexto familiar.
"O dia minguou e veio o crepúsculo, as sombras de esgueirando, saindo de debaixo de cada árvore, formando poças cada vez maiores, até cobrir o mundo inteiro em uma única e imensa sombra." p.17
     Relação familiar é aquela em que indivíduos moram em uma mesma casa, têm vínculos sanguíneos ou não, dividem interesses comuns, se comunicam e mantém um vínculo afetivo independente do papel que se exerça seja pai, mãe, filho ou filha, marido, esposa, irmão ou irmã, avô, neta etc.
     Já a palavra parceria relaciona-se à cooperação, interação, companhia, é quando duas ou mais pessoas criam juntas estratégias e agem para realizar um objetivo em comum.
     Os irmãos João e Maria tiveram diversos momentos desoladores. Passaram pelo período da guerra, da fome, o abandono dos pais, o terror de terem sofrido na floresta sozinhos, depois todo o pavor e sofrimento nas mãos da velha.
     Não há absolutamente uma única família, seja de qual classe social for, que não vivencie conflitos e problemas. No entanto, a chave para superá-los é justamente buscar o convívio e a comunicação saudável e não isolar-se frente aos mesmos.
     Os momentos de conflito levam à fragilidade física e psicológica. É bastante difícil, nessas horas, criar estratégias, manter a sanidade e o foco necessário.
     Assim que ouviu o plano de sua mãe para abandoná-los na floresta, João buscou meios de retornar para casa e inicialmente, os planos foram bem sucedidos até que eles não conseguiram mais retornar e ficaram sozinhos na floresta, vulneráveis a todo tipo de perigo e, como se o abandono não fosse bastante traumático, os irmãos viraram prisioneiros de uma velha antropofágica.
     O curioso é que foi lá na casa da velha que eles conseguiram, após derrotá-la, bens materiais para retomarem suas vida no local onde cresceram. É a lição de que os problemas e obstáculos nos dão oportunidades de crescimento e mudança.
     Mas a grande lição do conto, é que ambos estiveram juntos até o final, não culpabilizaram um ao outro e ainda sim, depois de tudo o que vivenciaram, foram capazes de perdoar o pai.
     Sendo assim, o ideal é que se busque um bom relacionamento de afinidade e companheirismo na família, porque isso se constitui em um fator decisivo para superar os momentos difíceis.

Talvez você não teve uma velha canibal para enfrentar, nem tenha ficado perdido na floresta ao ser abandonado por seus pais, talvez não tenha passado fome após enfrentar a guerra, mas é possível que já pôde contar com alguém de sua família em momentos de grandes dificuldades, seja lá quais tenham sido. Qual o maior desafio que você e sua família tiveram que enfrentar juntos? 

CONTA PRA MISS