21/12/2017

Bloqueio

        
Foto meramente Ilustrativa. Fonte: Freepik

             
         Voltava do treino quando recebi a mensagem. Achei tão apelativa... Na época, achava Lúcia a pessoa mais estranha do mundo. Por dentro principalmente. Irritava-me o seu jeito tão sentimental.
         Olhei sua fotografia de perfil e fixando os olhos em sua cicatriz no pescoço, pensei que ela poderia ter tirado de um ângulo melhor. Lembrei-me do acidente e de tê-la ajudado no momento em que ela mesma classificou como o pior de sua vida.
         Depois deste fato, ela passou a chamar-me de anjo. Eu pensava que era por incapacidade dela em pensar em um apelido mais depreciativo. Era a única pessoa que me via dessa forma, apesar de eu jamais permitir que alguém me conhecesse a fundo.
         Se ela soubesse que eu era o oposto do anjo que ela imaginava que eu fosse, iria ser difícil tê-la por perto e, eu não podia me dar ao luxo... Os poucos contatos que eu conservava, eram reservas para quando eu precisasse de alguns favores.
         Enfim... Lúcia, Maya e eu, havíamos nos reunido no mesmo bar que tínhamos frequentado há muitos anos, na época em que trabalhávamos juntos.
         Lúcia, como eu pensava, sempre insuportavelmente sensível, repetia todo o tempo o quanto era bom estarmos ali e o quanto aquele momento era raro.
         Maya contava que havia sido demitida da empresa em que trabalhava como arquivista.
         – É melhor ter paz do que ter dinheiro – falou Lúcia tentando confortar Maya no intuito de fazê-la sentir-se melhor por estar longe do estresse que era seu trabalho, ainda que tivesse problemas financeiros.
         – Você não tem paz se o dinheiro lhe falta – balbuciei mais para mim mesmo, confrontando o consolo piegas de Lúcia que eu sempre achava muito chato. Elas ouviram. Não responderam. Concordaram comigo, só não admitiram.
         Alguns longos segundos de silêncio foram quebrados por Maya que continuou relatando as perdas de sua vida e, dessa vez, falava do término de um relacionamento. Eu apenas balançava a cabeça bebendo a cerveja, fingindo ouvir. Nada disse.
         Lucia que despejou mais uma pérola:
         – Isso era um relacionamento abusivo.
         – Não exagera! – respondeu Maya e em seguida, para se livrar dos conselhos de Lúcia, perguntou sobre minha vida amorosa.
         – Igual como sempre – respondi.
         – Como igual?
         – Inexistente! Minha vida sexual está bem ativa, obrigado! – riram.
         Lucia olhou ao redor e como se julgasse mais feliz do que eu, Maya e o restante das pessoas do local, quase subindo na mesa, falou mais alto que a música que tocava:
         – Já eu, me caso em maio.
         – Com o advogado? – tentando demonstrar desinteresse para que ela aprendesse que aquilo não era uma notícia que mudaria nossas vidas, perguntei olhando por cima dos ombros no intuito de pedir ao garçom uma porção de fritas. Já Maya, simulava um ataque do coração.
         Dez minutos depois de uma história enfadonha e clichê que ela contava como se fosse um romance digno de um Oscar, ela deu um embrulho para mim e outro para Maya, dizendo que foi por isso que mandou mensagem marcando o encontro com nós dois àquele dia.
         Abrimos. Era uma garrafa de vinho para cada. Em um rótulo personalizado, meu nome na garrafa entregue a mim e o nome da Maya na dela, seguido de um pedido para sermos seus padrinhos de casamento.
         Bom, se antes Maya estava simulando um ataque do coração, depois desse momento ela parecia agonizar. Deu um grito agudo, pulou da cadeira e ficou balançando as mãos sorrindo de boca aberta, interpretando se emocionar, olhando para Lúcia que repetiu exatamente as mesmas atitudes.
         Eu nunca tinha recebido um pedido como esses. Pouca coisa se sabia sobre mim, mas o fato de que eu não era muito dado a casamentos, era completamente perceptível.
         Sorri e disse que seria um prazer.
         Eu odiei tanto a minha resposta e aquele pedido, que meu desejo maior era quebrar a garrafa em minha própria cabeça.
         Lúcia abraçou a mim e Maya ao mesmo tempo com braços gigantes e eu não sei exatamente o que se sucedeu logo em seguida, mas certamente eu devo ter julgado tudo muito chato e por isso apaguei da minha memória.
         Lembro da despedida e de ter sentido tanta pena da Lúcia, que assim que ela me olhou sorrindo, se despedindo, não consegui sorrir de volta porque tinha uma certeza muito firme de que aquele sorriso se apagaria dali a alguns meses ou com um pouco de sorte, dali a alguns anos. E aquele sorriso não podia desaparecer já que era uma das poucas coisas realmente verdadeiras nesse mundo. Eu tinha convicção de que todas as pessoas casadas eram infelizes. E realmente aquele foi o último sorriso que eu testemunhei dela, minha última lembrança. Depois daquele dia eu nunca mais a veria.
         Mandei uma mensagem à Lúcia pedindo perdão por ter de viajar a trabalho no dia 2 de maio, data do seu casamento. Ela não sabia que naquela época, eu estava assim como Maya, desempregado. Nem eu, sabia porquê mentia. Lúcia deve ter ficado chateada, a foto de seu perfil sumira junto com a sua insistência em nossa amizade.
         Depois de tanto tempo lembrando e relembrando esse fato, finalmente assumo que toda a minha resistência, foi pela questão de que é difícil ser padrinho de um casamento, quando bem lá no fundo, se quer ser o noivo.  

22 comentários:

Laneeh Martins disse...

Olá, tudo bem?

Por favor diga que tem continuação! To morrendo de curiosidade para saber o que vai acontecer.
Parabéns pelo conto! Está fantástico!

Beijos

Isabela Castro disse...

Oiê! Ah, mas achei esse homem muito pamonha, o cara nem dá atenção pra moça direito, não se deixa conhecer e aí diz que queria ser o noivo... é como dizem, quem não dá assistência, abre concorrência. Rs
Beijos

Gessica Machado disse...

Nossa, adorei o texto!Recheado de emoções e sentimentos.Fiquei curiosa sobre essa história. Parabéns.

http://naturezaliteraria.blogspot.com.br

Nuccia De Cicco disse...

Não sei se eu fiquei mais aporrinhada com a Lúcia, que realmente parecia querer salvar o mundo de um jeito impossível e clichê, ou com o ex-futuro padrinho, que é um porre de pessoa. Culpa minha, detesto gente fatalista. Mas adorei o final! Fechou como uma luva para explicar o comportamento do personagem. Parabéns!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Oie! Tudo, sim!
Haha! Tem continuação, não, flor!
Na verdade, ele estava lembrando de algo que aconteceu e na época que aconteceu, ele não sabia identificar os seus próprios sentimentos e depois de um tempo ele avaliou que o sentimento que tinha pela Lúcia é que na verdade ele era apaixonado por ela. Ele não intensificava suas relações porque não sabia lidar com o outro. Por isso o nome do conto: "Bloqueio"
Gratidão pelo elogio! Isso é mega importante para mim.
Grata pelo comentário!
Beijão!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Muito lerdo, né?
Hahahah Tem mais gente assim do que a gente pensa, né?
Mas quando ele se deu conta, já era tarde. rsrs
Amei seu comentário! Gratidão!
Beijo!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Que bom que gostou, flor!
Grata pelo elogio e comentário!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Dá vontade de dar três tapas na cara dele, né?
A Lúcia é uma chata! Os dois se mereciam. kkk
Adorei seu comentário! Gratidão!

Lucy disse...

Poxa, que pena pro narrador! Aparentemente ele marcou bobeira, mas vai saber o que ocasionou o fato de ele não ter se declarado antes. Texto muito bom, adorei!
Parabéns!
Bjs
Lucy - Por essas páginas

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Que bom que gostou!
Isso acontece muitas vezes, não é?
Grata pelo elogio e comentário! Bjs!

Klíssia Mafra disse...

Pode te chamar de Liz?
Menina, que texto instigante.
Vai ter continuação? Precismos saber o que a Lúcia fez a respeito, rsrs.
Gosto dessa sua pegada literária.
Beijinhos ♥

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Hahahaha Leitor é um caso sério, né?
Quer ficar acompanhando o personagem... Hahaha
Tem continuação, não, flor!
Que bom que gosta do meu estilo de escrita!
Lógico que pode me chamar de Liz!
Gratidão pelo comentário!
Beijão!

Sabrina Sampaio disse...

Muito impactada! Entrei mesmo na história, senti a dor. Você escreve muito bem, parabéns!

Thalia Mirelly disse...

Olá!
Eu não fui muito com a cara desse personagem,sempre sendo falso e julgando as pessoas mesmo que seja por amor,esses pensamentos deles foram muito chatos.
Eu gostei da escrita e do final que deixa aquilo de eu amo mas não posso ficar com ela.
Beijos

Catharina M. disse...

Oie
nossa que legal shuahsuah estou muito impactada, parabéns por conseguir deixar o publico tão ansiosa e surpreso além de quase me deixar sem unha

beijos
http://www.prismaliterario.com.br/

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Grata pelo elogio e comentário, Sabrina!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Olá!
Também não gosto dele.
Ele é um bobão, mas... Tem mais gente assim do que se possa imaginar, né?
Grata pelo elogio e comentário! Beijão!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

rsrs Perdão por te deixar sem unha, flor!
Que bom que você gostou! Grata pelo elogio e comentário! Beijão!

Delmara Silva disse...

Primeiramente, parabéns!
Amei. Sua escrita é fluída e viciante e me impeliu a ler até o final. Gostei bastante da forma que você construiu o texto e fiquei bem triste com a situação do cara, que em meio a indiferença que ele se esforçou tanto para demonstrar acabou deixando escapar a possibilidade de felicidade que estava tão perto.

Abraços!
Nosso Mundo Literário

Papo Moleca disse...

Sua escrita é ótima, amei <33
Parabéns pelo blog, já estou seguindo para poder acompanhar as novidades

www.papomoleca.com.br

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Que bom que você gostou, moça!
Grata pelos elogios e comentário!
Você capitou perfeitamente o sentido da história!
Abração!

MISS - Menina Irreverente, Sabida e Socrática disse...

Oi, moça!
Gratidão pelo elogio e comentário!
Volte sempre!