05/01/2018

(Em) Ponderando


          Um copo com água lhe foi entregue. Estava à sua frente, depositado na mesa. Segurava um pedaço de papel em uma das mãos, que servia para abarcar as lágrimas que caíam enquanto relatava diversas violências que sofreu, quando sofreu, onde sofreu e quem as fez sofrer.

          Com a escuta atenta, disfarçando a expressão tensa, eu teria que saber qual o tipo de violência. Se psicológica, sexual, moral, física ou patrimonial. Pelo relato prestado, foram todas. É nosso dever especificar o tipo de agressão e, como tenho “sorte”, em meu primeiro atendimento no estágio de psicologia em um local que atende mulheres vítimas de violência doméstica, tinha mesmo que ser alguém muito sofrido.

          Dentre muitas consequências da violência, estão pesadelos constantes durante a noite e uma reação fisiológica que constrange a vítima por se desencadear toda vez que seu cérebro percebe que ela está em perigo, mesmo que o agressor esteja a quilômetros de distância. Qualquer traço fisionômico semelhante, já provoca nela uma sensação nauseante.

          A vida que vivia, não era dela, estava em posse de seu companheiro que de forma bem hostil, a utilizou como quis, determinando ao seu modo como ela deveria comportar-se e principalmente, onde ela não deveria ir. Como se fosse possível alguém apreender e enclausurar a volição alheia.

         Olhando para o papel em suas mãos, percebo que ele se desfaz a cada palavra por ela proferida. Ela o esfrega, o reduz em pequenos pedaços, o esfarela...

          Olho para aquela cena enquanto escuto várias outras situações constrangedoras a que foi submetida, percebendo que ela faz ao papel, o que a ela foi feito.

          "Eu posso beber água?" – perguntou.

          “Você não precisa me pedir permissão para beber um copo de água que é seu” – respondi.

          Mais lágrimas caíram de seu rosto ao se tocar sobre o peso de submissão e nulidade que sua vida havia se tornado. 

          Corri os olhos sobre a mesa à procura de um objeto. Pego um peso de papel com uma bela flor no topo e digo: “Se eu o coloco aqui no centro desta mesa e saímos da sala, ele ainda estará aqui quando retornarmos. Ele não tem vida, nem vontade própria, não pode se locomover sem que eu ou qualquer outra pessoa o tire daqui.”

          Novas lágrimas, para um drama antigo...

          Novos embargos...

          Novas situações relatadas...

          Novas intervenções realizadas e...

          Depois de tudo, um novo olhar! 

          Uma pausa longa no choro e nos tremores de suas mãos.

          Para depois de vários instantes, um sorriso invadir-lhe a face, compreensão e empatia encherem os semblantes e ambas as expressões se tornarem leves.

          E como um objeto que, ao cair no chão devido à gravidade, provoca um ruído estrondoso, sua consciência se refaz de forma súbita e o turbilhão de expectativas que se deu naquele espaço foi ensurdecedor.

          Então, terminado o acolhimento, ouvi várias promessas de retorno, recebo um sorriso, um abraço e um agradecimento. Mas fui eu quem agradeceu mesmo de forma silenciosa, por testemunhar algo poderoso. Pois, pela força que seus olhos expressavam, eu imaginava que mais uma fortaleza se levantava e as consequências de suas ações ao erguer-se, poderiam ser bem mais avassaladoras. Porque quando alguém quebrado busca energia para se restabelecer, é quase impossível que forças externas, a paralisem novamente.

          E logo depois de terminado o atendimento, ponderei e percebi que descobri na prática o que o significado de empoderar elucida. Que é encarregar, confiar a alguém, dar poder, atribuir a alguém ou a si mesmo... Ou seja, não permitir que alguém anule sua liberdade de tomar decisões sobre sua própria vida.

          A não concessão de qualquer tipo de violência é algo muito novo para uma mulher e fisicamente ela já estava livre de toda opressão, mas cada agressão ainda a aprisionavam em dores violentas.

          Há muitos anos atrás, meu sonho era lidar com esse tipo de situação e eu jamais imaginei que pudesse ser tão difícil, tanto o durante, como o depois do atendimento.

          Pois agora, entendo que não sei exatamente se estava certa quando pude olhar para ela há alguns meses atrás e julgar ter encontrado nela força para que ela mesma comande sua própria vida e tome suas próprias decisões. Mas não posso dizer também que eu estava errada, porque talvez tenha partido dela mesma, a decisão de não mais me procurar.

31 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Muito bacana e importante esse teu texto, gostei muito! É uma história bem reflexiva.

    Beijos,
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Forte, mas necessário.
    É triste pq é uma cena comum e real. Esse texto é ideal para refletirmos e nos apoiarmos =/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Achei bem interessante e forte o texto, muito reflexivo, isso só reflete a história de milhares ou milhões de mulheres no momento!
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Que texto. Acabo ficando sem palavras, porque sem duvida conhecemos pessoas que passam ou passaram por situações que precisaram e ainda necessitam de se empoderar.

    http://imagine-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oiiee, tudo bom?
    Adorei o post, ele ficou muito bom além de se tratar de um assunto não muito falado nas mídias! É muito importante estarmos sabendo como lidar e ajudar ao próximo, agressão é coisa seria e é um crime grave. Ninguém deveria passar por isso. Ameei ^^

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem?
    Adorei seu texto. Acho muito importante tudo que você abordou nele. Parabéns. Um texto que nos faz refletir muito.

    ResponderExcluir
  7. No início eu me perguntei se era uma experiência verdadeira, que realmente tinha passado, mas aí percebi que isso não importa. É uma história verdadeira, porque é algo que muitas mulheres passam. Infelizmente é algo que é frequente na vida de muitas pessoas. Só podemos tentar ajudar quando elas procuram essa ajuda e ensinar ao máximo de pessoas possíveis, desde a sua infância, a como tratar e respeitar o próximo.
    Adorei o texto!

    Abraços,
    https://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma experiência pessoal, Fernanda!
      Sim! É ainda algo muito frequente na vida de milhares de mulheres.
      Que bom que gostou do texto.
      Abração!

      Excluir
  8. Uau, que texto cheio de emoções e sentimentos.
    Cheguei a ficar com um aperto no coração aqui, imaginando a cena. Deve ser, e é, muito difícil lidar com situações como essa, principalmente para quem tem que relatar tanta coisa sofrida. Lindo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão pelo comentário!
      Você conseguiu compreender o texto da forma como eu o escrevi.
      Foi sim, algo que mexeu muito comigo.
      Um beijo!

      Excluir
  9. Sempre importante falarmos da violência, pois diariamente, milhares de mulheres a sofrem, como você bem ilustrou no seu texto. É duro? É sim. É doloroso? É sim. Mas acima de tudo precisa ser discutido para que menos pessoas sejam atingidas por isso.

    ResponderExcluir
  10. Uau! Esse texto foi forte ♥ Parabéns pela escrita, que seu texto alcance mais pessoas para que elas possam refletir sobre um assunto tão importante quanto esse! Beijoo ♥

    ResponderExcluir
  11. Forte e pertinente, pois muitas passamos por isso e eu sei disso de cadeira, como mudar não sei, mas eu tento assim como vc! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só dá para mudar dizendo Basta!
      Te desejo sorte e força!
      Beijão!

      Excluir
  12. Que texto profundo e necessário! Reflete a situações de milhares de mulheres nesse mundo misógino em que vivemos.
    Parabéns.

    https://quiosqueliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oii! Nossa que texto lindo e emocionante, me fez lembrar de um livro que estou lendo e que também fala sobre uma mulher que sofria violência doméstica. E é muito emocionante e admirável quando a mulher consegue criar forças para seguir em frente depois de todo o sofrimento. Ótimo texto, bjss!

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Adorei seu texto, empoderamento, violência contra a mulher, abuso são temas que devem ser discutidos sempre, pois só assim mais pessoas vão entender a situação e quem sabe um dia possamos mudar esse comportamento

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem?
    Seu texto é realmente muito forte, pois, infelizmente, ele se aplica à realidade de milhares de mulheres. Um texto importante e reflexivo. Parabéns!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Amei seu post. Fazer com que uma mulher vítima de violência em uma relação que deveria ser de amor possa voltar a se sentir dona de si, empoderada, é uma missão difícil mas necessária.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Olá Eliziane, seu texto esta extremamente tocante e delicado, deve ser um trabalho bem forte lida com mulheres que sofreram tanto, mas também deve ser bem reconfortante pode mesmo que só um pouco ajuda-las.

    ResponderExcluir
  18. Olá
    nossa, que tapão. Muito bom o texto e o modo que retrata a realidade, adorei ver isso por aqui e com certeza me fez refletir muito, vou salvar para reler

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem? Que texto mulher, QUE TEXTO! Vontade de mandar para várias pessoas para ver se entendem o que isso significa e o quanto deve ser importante. Escreve mais sobre, adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  20. Oi, tudo bem?
    Este é um tema que devemos debater sempre, é importante!
    Bjs

    ResponderExcluir